Veja preços de medicamentos e compre online! Pagina Inicial Quem somos Notícias e novidades Doenças e tratamentos Entenda sobre Fale conosco
Dor de cabeça não é mera desculpa

Insuportável para quem a sente, mas quase imperceptível para quem vê de fora. Assim é a enxaqueca (migrânea, em termos médicos). Seu impacto sobre o organismo se assemelha àquele das grandes máquinas que, ao perder uma minúscula peça, causam colapso em toda a linha de montagem. Uma pequena alteração cerebral faz com que surjam fortes dores, cadenciadas em pulsações sobre apenas um dos lados da cabeça, acompanhadas por vertigens, que não raramente levam a desmaios. As vistas também se alteram, tornando qualquer feixe de luz uma espécie de intensificador para os outros incômodos. Como resultado dessa pane no sistema, qualquer pequeno esforço torna-se atividade hercúlea, sendo que para muitos "enxaquecosos" o sofrimento é tão grande que não resta outra alternativa a não ser cancelar os compromissos e ir para a cama.
 
Os sintomas descritos costumam se repetir entre os pacientes de enxaqueca, independentemente de sexo, gênero ou etnia. Sofrimento semelhante, porém, não significa que todos os pacientes receberão o mesmo tratamento - seja pelo médico, seja pela sociedade. É o que afirma a socióloga Joanna Kempner, da Rutgers University, nos EUA. Ela, que sofre com crises de enxaqueca desde a adolescência, deu um passo arriscado dentro do mundo acadêmico: transformou sua própria dor em objeto de estudo ao escrever o livro "Not Tonight - Migraine and the Politics of Gender and Health" (Hoje à Noite Não: Migrânea e as Políticas de Saúde e Gênero, da University of Chicago Press), no qual apresenta os aspectos sociais relacionados à doença.
 
Entre as doenças neurológicas, a enxaqueca é a que mais leva pacientes ao médico. Sua prevalência global está calculada em 10% da população, o que significa dizer que, só no Brasil, mais de 20 milhões de pessoas sofrem com o problema. Entretanto, apenas recentemente a enxaqueca foi reconhecida como uma doença do cérebro e muitas questões ainda permanecem sem resposta. Ainda não existe, por exemplo, um exame de imagem ou de sangue capaz de identificar com precisão a enfermidade. O diagnóstico vem do exame clínico e dos relatos do paciente. "Muitos chegam ao consultório frustrados por terem se submetido a diversos exames, mas não aparecer nenhuma alteração", diz o neurocirurgião Benedito Amorim Filho, membro do grupo de dor do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.
 
É nessa ausência de maneiras concretas para mostrar a dor, diz Joanna, que sobrevivem os resquícios de um passado no qual a enxaqueca era encarada como uma questão comportamental, uma espécie de "desculpa" inventada por pessoas frágeis, especialmente mulheres, para abster-se de suas atividades cotidianas - ideia com a qual a autora brinca no título (Hoje à noite não), em referência ao entendimento da dor de cabeça como uma escusa feminina para o sexo. Ligar a enxaqueca a uma "desculpa feminina" guarda um fundo de verdade: a doença é mais comum entre mulheres, em uma proporção de duas a três afetadas a cada homem. "A mulher está exposta a variações consideráveis nos níveis de estrógenos e progestógenos, o que influencia no surgimento e na ocorrência de enxaqueca", diz Amorim Filho.
 
As coincidências entre o quadro clínico e o imaginário sobre a enfermidade, porém, acabam por aí. Desde que a enxaqueca começou a ser tratada no âmbito neurológico, o que se sabe é que as dores narradas por pacientes estão longe de ser meras "desculpas".
 
Se a ciência já reconheceu a gravidade da enxaqueca, falta ainda à sociedade percorrer o mesmo caminho. "Os pacientes de enxaqueca foram estigmatizados durante séculos e isso ainda tem seus efeitos. Vários médicos não querem tratar suas pacientes 'enxaquecosas' por acreditar que elas são resmungonas e neuróticas. E esses estereótipos afetam os homens também", diz Joanna, citando um estudo que mostrou que um homem apresentando sintomas exatamente iguais aos de uma mulher tem menos chances de receber o diagnóstico de enxaqueca. "Há cerca de 300 milhões de homens com migrânea. Essa não é uma doença só de mulheres", diz o neurologista William Young, que assina artigos científicos com Joanna.
 
No entanto, quando um homem recebe o diagnóstico de enxaqueca, ele tem mais chances de ser tratado com medicações para a dor, enquanto a mulher está mais suscetível a receber antidepressivos e tranquilizantes. "A dor masculina tende a ser tratada como uma emergência médica, enquanto a dor feminina ainda é frequentemente percebida como um problema emocional", diz a socióloga. O neurologista Marcelo Ciciarelli, presidente da Associação Brasileira de Cefaleia, faz uma ressalva: no caso dos antidepressivos, há a possibilidade de seu uso terapêutico para o tratamento da migrânea. "Eles melhoram o funcionamento do sistema de analgesia interna dos pacientes ao aumentar a concentração dos neurotransmissores serotonina e noradrenalina", diz Ciciarelli. O efeito, porém, vale tanto para homens quanto mulheres.
 
É naturalmente difícil compreender doenças nas quais não há alterações físicas evidentes, característica comum a muitos quadros clínicos de dor. Quando se fala de enxaqueca, diz Joanna, outros dois fatores se somam: o primeiro é a trivialidade. Todo mundo tem dor de cabeça e quem não sofre com enxaqueca tende a considerar a dor de cabeça da migrânea similar a uma dor simples, o que não é verdade. A segunda questão seria a própria indústria farmacêutica, que vende a cura como algo simples. "Nos Estados Unidos, onde as farmacêuticas podem fazer propaganda direta aos pacientes, os anúncios mostram a enxaqueca como algo fácil de tratar: você toma uma pílula e está tudo bem", diz Joanna. "Entretanto, os melhores métodos para prevenir a migrânea reduzem a frequência dos sintomas pela metade e para metade dos pacientes tratados."
 
O resultado dessa constante briga para convencer colegas de trabalho, familiares e mesmo médicos de que sua dor é real é a estigmatização dos "enxaquecosos". Em um estudo de 2013, Joanna e Young compararam o estigma sentido por pacientes com enxaqueca crônica (que causa dor por mais de 15 dias ao mês) e com epilepsia, ambas doenças neurológicas, e perceberam que os primeiros se sentiam mais marcados pela doença. A chave para entender a questão está no impacto da enfermidade sobre o trabalho. "A sociedade tem dificuldade para entender que muitas vezes a migrânea pode ser frequente e severa o suficiente para impedir a pessoa de trabalhar", afirma Yung. A visão da "desculpa para não fazer coisas" ainda sobrevive, apesar de todo o esforço da ciência para desconstruí-lo.
 
Mais que incompreensão, isso cria uma barreira invisível que dificulta a inserção dessas pessoas no mercado de trabalho. "Cerca de 25% dos pacientes com enxaqueca crônica estão desempregados", diz Ciciarelli. As mulheres são as mais prejudicadas. "Por razões sociais, a paciente sofre mais no ambiente de trabalho ou na escola", diz Amorim Filho. "A nossa sociedade capitalista e ainda machista acaba gerando esse tipo de resposta."
 
Equívocos recorrentes:
Questão semântica Muita gente acredita que enxaqueca é uma maneira diferente de dizer dor de cabeça. Enxaqueca é uma doença neurológica específica, na qual a dor de cabeça é um dos sintomas - mas não o único. Questão de sexo A maior prevalência entre as mulheres dá a falsa impressão a muitos homens de que enxaqueca é coisa de mulher. O neurologista William Young recebe de cinco a seis mulheres para cada homem, diferença de gênero bem superior à da prevalência da doença. Questão de tempo Há vários níveis de gravidade e frequência das crises de enxaqueca. A maior parte dos pacientes (48%) tem entre uma e quatro crises por mês, enquanto 25% tem mais de quatro crises mensais. Questão de idade Crianças também podem desenvolver enxaqueca e, antes da puberdade, a enfermidade ataca meninos e meninas na mesma proporção. Somente na adolescência é que o problema torna-se mais comum entre as mulheres.
O colunista Jorge Lucki está em férias


Fonte: Valor Econômico – São Paulo


12 curiosidades sobre Pedras nos Rins    
A berinjela ajuda a reduzir o colesterol - verdade ou mentira?    
A cura da AIDS    
Alerta sobre o H P V    
Alimentação saudável contra Cäncer    
ANEMIA (deficiência de ferro)    
ANEMIA FALCIFORME    
AVC, Derrame cerebral.    
Câncer    
Câncer colorretal    
Câncer de bexiga: relação com o tabagismo    
Cancer de Prostata    
Cancer ocular ou Retinoblastoma    
Causa Primária do Câncer, como ter vida saudável diminuindo acidez do organismo    
Causas da impotência sexual    
Células tronco pode reverter cegueira    
Chá para impotência sexual    
Colesterol alto    
Conjugados de Anticorpo-medicamento – armas seletivas e precisas contra o câncer    
Coqueluche. Sintomas e tratamento    
Corrimento vaginal: Como evitar    
Couro cabeludo: Caspas e seborréia    
Culinária para impotência sexual    
Cura do câncer da laringe    
Cura do câncer da vagina    
Cura do câncer de bexiga    
Cura do câncer de boca    
Cura do câncer de esôfago    
Cura do câncer de estômago    
Cura do câncer de mama    
Cura do câncer de pele    
Cura do câncer do reto    
Cura do câncer do útero    
Cura do câncer dos olhos    
Deixando de Fumar sem Mistério    
Diverticulite (inflamacao intestino)    
Dor de cabeça não é mera desculpa    
Dor na coluna, lombalgia, contusões, torcicolo    
Em breve vacina contra febre reumática    
Estresse e compulsão alimentar    
Exercício para impotência sexual    
FDA aprova tratamento para a esclerose múltipla da Biogen Idec    
Fibromialgia    
Garrafada de Plantas Medicinais    
Gripe A H1N1    
Hepatite, formas de contagio e prevenção.    
Hipertensão Arterial    
Impotência sexual feminina    
Lúpus    
Manchas escuras e irritações na virilha, axilas e coxas    
NOVAS TERAPIAS PARA O MAL DE PARKINSON    
O que é Diabetes, prevenção e controle    
O Segredo de Como Acabar Com Celulite e Estrias    
Obesidade    
Prolapso da Válvula Mitral    
PSORÍASE - Combate ao preconceito    
Remédio caseiro para impotência sexual    
Saiba Tudo Sobre as Unhas Encravadas    
Saiba tudo sobre Infertilidade    
Sintomas de impotência sexual    
Sintomas e sinais da leucemia em crianças    
Sonho: Desejo de engravidar    
Tratamento Para Pedra Na Vesícula    
Tratamento para transtornos mentais    
Tuberculose. Causa, sintomas e tratamento    
Verruga genital (DST)    

Desenvolvimento: qualitÉ! Tecnologia
Bulas, Princípio ativo, Indicações Terapêuticas, Fotos, Notícias, Doenças e Tratamentos, Espaço Acadêmico.
Pesquise Medicamentos - ® 2009. Todos os direitos reservados.   Administração  Webmail
PÁGINA PRINCIPAL | QUEM SOMOS | NOTÍCIAS | DOENÇAS E TRATAMENTOS | ENTENDA SOBRE | CONTATO
contato@pesquisemedicamentos.com.br